Satélite brasileiro e sul-africano estudará fenômeno magnético

Os líderes de Brasil, África do Sul e Índia devem anunciar nesta terça-feira 24 de outubro, durante o encontro de cúpula dos três países , um acordo para o lançamento conjunto de um satélite para estudar um fenômeno magnético do Atlântico Sul.

 

Segundo o ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia, Aloísio Mercadante, a idéiasatelite do brasil africa india vem sendo discutida há bastante tempo, mas ganhou contornos finais no último ano.

O ministro diz que o satélite terá o objetivo de fornecer informações aos pesquisadores sobre uma anomalia que acontece no espaço sobre o Atlântico Sul – uma interferência magnética que causa ruídos e problemas de comunicação em satélites desta região.

O satélite será construído com tecnologia da África do Sul e do Brasil – através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – e será lançado de uma base na Índia. Por se tratar de um fenômeno que afeta mais o Brasil e a África do Sul, a Índia terá uma participação menor no projeto.

“Como se trata de um satélite leve, ele poderia ser lançado pela Índia em qualquer um dos foguetes deles”, afirma Mercadante. O Brasil ficaria com a parte de desenvolvimento de tecnologia mais complexa, cabendo à África do Sul a elaboração da plataforma de lançamento.

Segundo o ministro, toda a parte técnica já foi acordada entre as partes, faltando apenas a formalização por parte dos chefes de Estado. Depois do anúncio oficial, Mercadante prevê que demorará três anos para o lançamento do satélite.

O ministro diz que orçamento do projeto do Ibas – R$ 17 milhões – é pequeno se comparado com outros planos mais ambiciosos do ministério.

Ele cita a contratação de um satélite geoestacionário de grande porte – de R$ 700 milhões – que será usado para toda a comunicação do setor de defesa do Brasil e aumentará a capacidade de banda larga no país. Hoje o Brasil aluga satélites estrangeiros para esse tipo de serviço.

O ministro também ressaltou que, além do Inpe, outras empresas como Telebras e Embraer também serão envolvidas no projeto do satélite geoestacionário.

Fonte: BBC

  • Comentários  

    19/09/2017