Indra estreia no controle aéreo brasileiro

A Indra vai fornecer à Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) dois sistemas de radares transportáveis (MSSR Mode S), em um projeto orçado em cerca de US$ 4 milhões.

Os sistemas serão entregues ainda neste ano e são destinados ao respaldo da gestãodo tráfego aéreo civil.

Para cumprir os requisitos legais impostos pela Ciscea, a Indra adaptou as características de seu sistema radar secundário modo S (MSSR modo S) para uma versão transportável, de alcance de 200 milhas náuticas e com uma torre desmontável de 12 metros de altura.

A solução, preparada para ser transportada por via rodoviária ou aérea, vai reforçar a vigilância do espaço aéreo. A meta é otimizar o controle com foco em eventos de grande porte, como a Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016, e em situações de emergência, em que as infraestruturas existentes possam ser afetadas.

Os sistemas também ajudarão à Ciscea a realizar trabalhos de manutenção e modernização de sua rede de vigilância de radar sem que o serviço seja afetado.

O contrato envolve, ainda, transferência tecnológica: a Indra será responsável por dar formação e assessoria em tecnologias de gestão de tráfego aéreo à equipe da Ciscea.

Mais um mercado da AL
O projeto foi o primeiro firmado pela Indra no setor de tráfego aéreo no Brasil.

Na América Latina, a companhia já mantém projetos com a Corporação Centroamericana de Serviços de Navegação Aérea (COCESNA), tendo implantado os sistemas que gerenciam todo o espaço aéreo superior da Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Belize.

Além disso, os centros de controle e aeroportos da maioria destes países utilizam tecnologias da empresa.

A Indra trabalha, ainda, na implementação do novo centro de controle de tráfego aéreo de Lima, no Peru, onde está implantando uma rede de sistemas de radar secundário modo S (MSSR modo S) que deverá cobrir quase todo o espaço aéreo nacional.

Ainda, a empresa desenvolve uma série de projetos de modernização de infraestrutura degestão de trafego aéreo na Panamá, Equador, Colômbia, Bolívia, Argentina, Uruguai e Paraguai.

No Brasil, a empresa já tem destaque em outros mercados, fora o de gestão de tráfego aéreo. A carteira reúne nomes dos setores financeiro, utilities e energia, segurança e defesa, transporte e tráfego, administração pública, saúde, indústria, consumo e Telecom.

A companhia, que tem escritórios em São Paulo, Barueri, Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro, além de laboratório de software em Campinas, emprega 1,5 mil profissionais na operação local.

Com sede na Espanha, a Indra emprega mais de 31 mil profissionais, ao todo, atendendo a clientes de mais de 110 países.

As vendas em 2010 atingiram € 2.557 milhões, sendo 40% vindos da atividade internacional

Fonte: Baguete

  • Comentários  

    27/07/2017