Asimo o Robô Humanoide da Honda

A Honda apresentou ontem a última versão do seu robô humanoide. O Asimo consegue correr mais rapidamente, saltar e até servir uma bebida. A fábrica de automóvel japonesa acredita que serão robôs como este que, no futuro, poderão ajudar a resolver crises nucleares como a de Fukushima.

Apresentado pela primeira vez no ano 2000, a utilidade desta complexa máquina há muito era questionada, sendo vista, sobretudo, como um brinquedo glorioso e ferramenta de marketing da empresa nipónica.

Mas agora o presidente da Honda, Takanobu Ito, acredita que corrigidos alguns problemas, como por exemplo o mau funcionamento de alguns sistemas informáticos quando sujeitos a elevada radiação, já será possível usar o Asimo em centrais nucleares à beira do abismo, como a de Fukushima.

Chá, café ou laranjada?

Na apresentação à imprensa, que decorreu no centro de investigação da Honda em Tóquio, a nova versão do Asimo demonstrou ser capaz de correr até 9 km/h (na última apresentação em 2005 ficava-se pelos 6 km/h). Provou ainda ser capaz de distinguir as vozes de três pessoas a falarem ao mesmo tempo. Através do seu sistema de reconhecimento facial e análise de som, percebeu que uma mulher queria um café quente, outra um sumo de laranja e uma terceira um chá com leite.

Registam-se ainda melhorias consideráveis ao nível das mãos, sendo agora possível comunicar através de linguagem gestual. “O meu nome é Asimo”, disse o robô enquanto fazia os gestos.

Segundo o presidente da Honda, o Asimo dispõe ainda de um sistema de inteligência artificial mais autônomo que lhe permite, por exemplo, movimentar-se entre multidões sem que se tenha de recorrer a um controlo remoto.

Apesar das melhorias, Takanobu Ito reconheceu que ainda há um longo caminho pela frente até que seja possível comprar uma destas máquinas, tal como hoje se compra um carro.

Expresso

  • Comentários  

    19/08/2017