Greve dos Correios: manifestação no Ministério das Comunicações

O atraso na entregagrevecorreios de correspondências e encomendas por causa da greve dos funcionários dos Correios começou na última quarta-feira 14/09, a determinação é que os serviços essenciais sejam mantidos porém, não há garantia de entrega de encomendas, já que os carteiros também estão paralisados.

O Procon informa que as empresas que encaminham cobranças e boletos pelo correio são obrigadas a oferecer outra forma de envio, como por meio da internet e por fax. As empresas devem, ainda, divulgar amplamente as alternativas disponíveis.

Os consumidores que sabem a data de vencimento de suas contas devem entrar em contato com a empresa, para pedir outra opção de envio e evitar a cobrança de multas e cancelamentos.

Em caso de dúvida, o interessado deve procurar as entidades de defesa do consumidor de sua cidade.

Na tarde de hoje 20/11 um grupo de trabalhadores dos Correios fará um enterro simbólico, para protestar contra a falta de negociação com o governo sobre o reajuste salarial da categoria, eles estão reunidos em frente ao Ministério das Comunicações. Além de um carro de som, os funcionários da estatal levaram para a manifestação um caixão com flores e as fotos do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e do presidente dos Correios, Wagner Pinheiro.

“Já que eles não querem conversar com a gente, vamos enterrá-los. Só vamos desenterrá-los quando abrirem as negociações”, disse o diretor da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect), José Gonçalves de Almeida. Segundo ele, os trabalhadores estão reunidos em assembleias em vários estados para debater os rumos das negociações.

De acordo com os Correios, ontem (19) a adesão dos trabalhadores à paralisação caiu para 23% — até a última sexta-feira, estava em torno de 30%. Com isso, agora a empresa tem 77% do efetivo trabalhando. Já a Fentect estima que 70% dos 109 mil empregados da estatal estejam parados.

Segundo a empresa, com a queda na adesão e o mutirão feito no final de semana para entrega de objetos postais, os Correios conseguiram aumentar a porcentagem de carga que esta sendo entregue em dia, que passou de 60% para 65%. Ontem (19), o ministro Paulo Bernardo disse que quem aderir à paralisação terá o ponto cortado.

Fonte: Agencia Brasil

  • Comentários  

    25/06/2017