Hackers brasileiros atacam o Citibank

Os sites do Citibank no Brasil e EUA foram afetados, confirmou um porta-voz.

Um grupo de hackers deu continuidade na sexta-feira a uma onda de ataques contra sites brasileiros de empresas financeiras, interrompendo o funcionamento dos sites do Citigroup Inc. e outras grandes instituições.

O grupo, que se autodenomina Anonymous Brasil, teve como alvo uma série de websites, lançando ataques de “interrupção de serviço” contra as páginas da federação de bancos brasileira, a Febraban, bem como do Banco BMG, do Banco Panamericano e dos sites do Citigroup tanto no Brasil como nos Estados Unidos.

Os sites dessas instituições estavam operando de forma intermitente na manhã de sexta-feira. Um porta-voz do Citigroup confirmou que seus sites locais e globais foram afetados. Um porta-voz da Febraban disse que havia um número atipicamente elevado de acessos ao site do grupo. O Banco BMG e Banco Panamericano não puderam ser imediatamente contatados para comentar.

O grupo de hackers também alegou em sua conta no Twitter que teve brevemente como alvo o site do Banco Central na manhã de sexta-feira, embora o BC não tenha confirmado que os problemas em seu website foram causados por hackers. “Durante a manhã, houve uma sobrecarga de acessos ao site do Banco Central, trazendo instabilidade e atrasos”, informou o BC. “Nenhum sistema do banco ou operações foi afetado.”

O grupo, que diz estar promovendo uma campanha contra a corrupção, no início da semana assumiu a responsabilidade por invadir os sites dos maiores bancos estatais e privados do Brasil, incluindo Banco do Brasil SA, Itaú Unibanco Holding SA, Banco Bradesco SA e HSBC Holdings PLC.

O Anonymous Brasil, que é um esforço de colaboração entre os subgrupos de hackers identificados como Anti-Security Brazilian Team e iPiratesGroup, informou que sua iniciativa tem a meta de promover mais igualdade social e econômica para o Brasil através do ativismo, e que não está interessado em roubo.

O grupo, que anunciou seus ataques via Twitter, publicou uma lista de ações para outros ataques este ano, que incluem companhias aéreas, empresas de telefonia, de cartão de crédito, e sites do governo. O grupo disse que também planeja invadir as transmissões de emissoras de rádio.

Embora a operação seja chamada Brasil Anonymous, houve alguma confusão sobre se ela está relacionada ao grupo global de hackers-ativistas Anonymous. Outro grupo, Plano Anonymous Brasil, que diz representar o movimento global Anonymous, procurou distanciar-se dos ataques no início da semana, dizendo que os grupos AntisecBrTeam, iPiratesGroup e um terceiro grupo, Lulzsecbrazil, estavam tentando minar suas atividades.

Não foi possível verificar a veracidade das alegações dos hackers e seus sites.

WSJ

  • Comentários  

    13/12/2017