Groupon dobrou o número de usuários do site

O site de compras coletivas Groupon, dobrou o número de usuários este ano para 115 milhões, planeja abandonar o uso de uma controversa metodologia financeira que já foi considerada pela empresa como um bom indicador de desempenho, informaram duas fontes próximas do assunto.

O Groupon é maior site de compras coletivas dos Estados Unidos, e se afasta cada vez mais da concorrente LivingSocial em número de membros.

Prestes a realizar umas das mais esperadas ofertas iniciais de ações (IPO) do ano, o Groupon planeja enviar na próxima semana um documento anexo ao seu prospecto de abertura de capital para atualizar seu desempenho, disseram as duas fontes.

O forte ritmo de crescimento da empresa será revelado nesse anexo e deve dar um impulso ao IPO da companhia, apesar de temores sobre a necessidade do Groupon de investir pesado para atrair novos usuários e também da preocupação de outra bolha da Internet, a exemplo do que aconteceu no fim dos anos 1990.

“Há poucas oportunidades de crescimento na escala de companhias como o Groupon”, disse Lou Kerner, vice-presidente de pesquisa na Wedbush Securities. “É isso que muitos investidores têm procurado hoje em dia.”

Fundado em 2008, o Groupon fez um pedido de abertura de capital neste ano para levantar cerca de 750 milhões de dólares na oferta. Em abril, uma fonte disse que a empresa pode captar até 1 bilhão de dólares, sendo avaliada entre 15 bilhões e 20 bilhões de dólares.

Neste ano, empresas online, como o site de redes sociais para profissionais LinkedIn, tiveram espetaculares entradas no mercado acionário, o que aumentou o interesse por possíveis ofertas do segmento, como Facebook e Twitter.

Mas há crescentes dúvidas em Wall Street sobre se a animação que cerca o segmento online atualmente é justificada diante da lembrança do colapso das empresas “pontocom” em 2001.

Esse cuidado pode ter levado alguns investidores a questionar o uso do ACSOI pelo Groupon, um método financeiro que exclui não apenas despesas de marketing, mas também o pagamento de compensação por meio de ações ou itens relacionados a aquisições.

No primeiro trimestre, o Groupon sofreu um prejuízo operacional de 117 milhões de dólares, mas o ACSOI foi de quase 82 milhões de dólares. Isso porque cerca de 180 milhões de dólares em gastos com marketing online –mais 18 milhões de compensação a funcionários com ações– foram riscados do balanço.

Um porta-voz da empresa evitou comentar o assunto.

No final de 2010, a companhia tinha 50,58 milhões de usuários. Esse número cresceu 64 por cento, para 83,1 milhões, no final do primeiro trimestre. Desde 31 de março, o número de usuários avançou outros 38 por cento, para 115 milhões.

A receita disparou para 713 milhões de dólares no ano passado ante 30 milhões em 2009. No primeiro trimestre deste ano apenas, o faturamento superou os 644 milhões de dólares.

A maior parte do crescimento recente veio via expansão orgânica e não por aquisições, afirmou uma segunda fonte, citando que o Groupou não comprou muitas empresas ultimamente.

Apesar do alto nível de crescimento, alguns críticos continuam cautelosos sobre a entrada no negócio, essencialmente um site de descontos, que pode ser facilmente replicado por empresas iniciantes e por grandes nomes da Internet. O Google já começou um serviço semelhante.

E apesar das companhia compartilhar do ambiente de redes sociais como a produtora de jogos Zynga, o Groupon precisa de recursos que outras empresas não previsam: uma grande equipe de vendas para atrair empresas interessadas e lidar com serviço a clientes.

O Groupon investiu muito para atrair usuários e gerar crescimento de faturamento. A empresa gastou 208 milhões de dólares apenas em marketing durante o primeiro trimestre deste ano, ante 4 milhões de dólares no mesmo período do ano passado.

“A chave é quanto dinheiro eles estão gastando por novo usuário e quanta receita eles estão gerando por usuário”, disse David Sinsky, do Yipit, empresa que acompanha o setor.

  • Comentários  

    19/10/2017