Compras Coletivas: Vantagens ou Problemas?

Em 2008 nos Estados Unidos, uma modalidade de vendas Online ganhou força e se disseminou rapidamente pelo mundo: Trata-se das compras coletivas. Desde Março de 2010, quando nasceu o primeiro site de compras coletivas do Brasil, o Peixe Urbano, a modalidade também virou febre no país.

Segundo informações da Bolsa de ofertas, atualmente existem mais de 1025 sites de compras coletivas no Brasil, o que dá uma média de 64 novos sites por mês.

Uma pesquisa realizada em Março de 2011 pela E-Bit, empresa brasileira de monitoramento do e-commerce nacional, indicou um faturamento de R$ 214,8 milhões nas vendas Online em 2010, um crescimento de 40% em relação a 2009.

A pesquisa mostrou que 61% dos entrevistados conhecem o conceito de compras coletivas, e desses, 49% já compraram um cupom de desconto. Dos 51% que não compraram, 82% pretendiam fazer sua primeira compra neste ano de 2011.

– O conceito do modelo de vendas coletivas tem base em oferecer promoções irresistíveis que gere uma compra por impulso, admite Pedro Guimarães, um dos sócios do site imperdível, do segmento de compras coletivas.

Ainda segundo Guimarães, o segredo do negócio é aliar uma marca conceituada, um serviço excelente e um preço mais do que excepcional.

Segundo a economista Amanda Farias, estes três fatores pesam mais do que a necessidade na hora da escolha.

– Comprei um total de 48 latinhas de Coca-Cola Light por R$ 0,20 cada. Não consumo tanto refrigerante assim, mas fica para oferecer às visitas, conta Amanda.

Segundo relatórios da Alexa, órgão mundial de audiência de sites, atualmente o GroupOn, grupo que adquiriu o brasileiro Clube Urbano, está no topo do ranking nacional de sites de vendas coletivas, seguido por Peixe UrbanoQpechinchaClickOn.

Clique aqui para ver a lista completa

Mas nem tudo são flores

Como não poderia deixar de ser, junto com a febre dos sites de vendas coletivas, surgiram as reclamações pelos péssimos serviços oferecidos. Na maioria das vezes o problema está no serviço oferecido pela empresa parceira do site de compras coletivas e também na demora na devolução do dinheiro em caso de desistência pelos clientes.
Outro fator como propaganda enganosa, também está presente nas reclamações.

– Muitos usuários acabam tendo surpresas infelizes quando chegam ao estabelecimento como mal atendimento, superlotação e até mesmo cupons não encontrados, afirma Jhonny Ferreira, cliente de compras coletivas que já tem mais de 2 processos abertos contra dois sites.

Projeto de Lei

As vendas coletivas de produtos e serviços pela internet poderão ganhar uma regulamentação. A idéia partiu do deputado federal João Arruda(PMDB-PR) que apresentou um projeto de lei (PL 1.232/2011) criando regras para esta modalidade.

Segundo Arruda, a idéia de sua proposta é normatizar um mercado novo que vem crescendo aceleradamente no Brasil desde 2010.

– “É importante que o vínculo criado entre os sites de compra coletivas, os estabelecimentos (parceiros) e os consumidores seja transparente. O consumidor deve ser informado sobre as condições e os detalhes dos produtos e serviços oferecidos, as regras para utilização e a entrega dos produtos”, declarou.

Ainda Segundo o texto do projeto, as empresas de compras coletivas deverão oferecer um atendimento telefônico 24hs. Pela proposta o “Call Center” deverá ser gratuito e obedecer as regras que regem este serviço.

Da visão jurídica

Para evitar possíveis transtornos, o Programa Municipal de Defesa do Consumidor (Procon) orienta para o consumidor tomar cuidado e se precatar para que não seja lesado em alguma compra coletiva.

A diretora do Procon, Rafaela Ferreira, avalia que as compras pela internet, principalmente na modalidade coletiva, vêm ganhando volume. Segundo ela, devido a comodidade, as pessoas estão optando pelos sites de compra coletiva. No entanto, a representante orienta que os consumidores tenham cautela na verificação de dados e informações do site de compra coletiva.

“Por ser uma transação na internet é preciso mais cuidados na hora de efetuar uma compra. É importante verificar se o site é seguro e buscar mais informações com pessoas que já realizaram uma transação. Além disso, o consumidor pode averiguar se realmente a oferta existe junto aos estabelecimentos e empresas da cidade. Assim constata-se a confiabilidade do portal”, destaca a Rafaela Ferreira.

Ela ressalta também as precauções com fornecimento de dados no pagamento da compra coletiva com cartão de crédito. “Ao efetuar uma aquisição através do cartão de crédito você acaba correndo risco, pois os dados são fornecidos para o site. Por isso, recomendo sempre optar por pagar através de boleto bancário, assim evita-se o fornecimento das informações bancárias na internet”, frisa a diretora do Procon.

Após o processo de compra finalizado, o consumidor deve ficar atento ainda às normas de utilização do cupom emitido pelo site para evitar transtornos. “O cupom de site de compra coletiva tem um prazo de validade para obter o serviço ou realizar a troca pelo produto. Caso expire a data, a pessoa não poderá utilizá-lo. Outro detalhe importante é verificar as normas de uso que determina o horário e dias de utilização do cupom”, orienta.

Em outras regiões do país existem reclamações e insatisfação dos consumidores quanto à qualidade dos serviços e produtos da compra coletiva. Porém, de acordo com Rafaela Ferreira, ainda não foi formalizado denúncia em relação à perda da qualidade do produto ou serviço adquirido.

“O ideal é saber antes como a empresa procede na tradicional modalidade de compra para comparar se houve diferenciação, pois ela não pode ocorrer. Caso isso ocorra ou até mesmo problemas no cumprimento da oferta, o consumidor deve acionar o Procon. E a responsabilidade será cobrada tanto do site que fez a transação como da empresa ou do estabelecimento”, explica a diretora Rafaela Ferreira.

Escolha de parceiros

Uma das medidas mais importantes para uma empresa de Compras coletivas é o cuidado na escolha dos parceiros comerciais. Segundo Júlio Vasconcelos, presidente do Peixe Urbano, o filtro e avaliação são pontos ideais para uma boa parceria:

– Recebemos centenas de e-mails diários de empresas com interesse em divulgar no site. Todas as propostas são avaliadas e as que se enquadrarem no propósito do Peixe Urbano serão analisadas mais detalhadamente, diz Júlio.

Peixe Urbano – Crescimento constante

Atualmente, cerca de 2% das empresas que querem anunciar no Peixe Urbano são aprovadas e estão dentro dos padrões da companhia.

Em contrapartida, engana-se quem acha que o Peixe Urbano é apenas um receptor passivo de oportunidades. Segundo Júlio, a empresa corre atrás dos melhores estabelecimentos a fim de boas parcerias.

– Nós sempre estamos buscando o que tem de melhor em São Paulo, Rio de Janeiro ou nas cidades onde estamos atuando. Corremos atrás e vamos falar com aqueles estabelecimentos para fecharmos uma parceria.

Já o GrouPon, líder no segmento aqui no Brasil, atua na procura de parcerias que tragam valores aos seus consumidores oferecendo um serviço diferenciado.

GroupOn – Líder no país e no mundo

Além disso, a empresa possui um setor específico para avaliação dos parceiros, filtrando as melhores empresas e analisando os resultados e satisfação dos clientes:

– Possuímos uma equipe que trata exclusivamente deste setor, da parte estratégica de atuação e da abordagem em estabelecimentos. Nós ajudamos o parceiro a entender essa demanda e o quanto ele consegue ou não atender. Temos também um departamento de qualidade por onde todos as ofertas passam antes de entrar ao ar, garantindo assim que a oferta esteja dentro dos padrões exigidos pelo Groupon. Além disso, instruímos nossos parceiros nos passo a passo do atendimento para melhorar cada vez mais a experiência com a compra coletiva, informa Lucas Souza, assessor da diretoria do GrouPon.

Fonte: MxMasters

  • Comentários  

    22/10/2017