Fiat compra participação majoritária na Chrysler

A montadora italiana Fiat SpA tornou-se oficialmente a sócia majoritária da americana Chrysler Group LLC ontem, abrindo caminho para uma completa reestruturação do conselho de administração da Chrysler e para uma futura fusão da direção das duas empresas.

A Fiat fechou ontem acordo para pagar ao governo do Canadá US$ 140 milhões pela pequena fatia da Chrysler, e completou um acordo anunciado anteriormente de comprar a fatia maior do governo dos Estados Unidos na montadora. Essas duas ações aumentaram a participação da Fiat na Chrysler de 46% para 53,5%.

Sergio Marchionne, que atua como diretor-presidente de ambas, deve em breve reorganizar o conselho da Chrysler e substituir os cinco membros que foram apontados pelos dois governos. Eles são C. Robert Kidder (presidente do conselho), Douglas Steenland, Robert Thompson e Scott Stuart, apontados pelos EUA, e George F.J. Gosbee, que representa os interesses canadenses.

O atual conselho de nove membros da Chrysler foi nomeado depois que a montadora saiu da concordata em 2009 pelos então sócios da companhia: a Fiat, os governos dos EUA e o Canadá e o fundo de assistência médica a aposentados do sindicato de metalúrgicos United Auto Workers (UAW). Um porta-voz da Chrysler não quis comentar.

Em separado, Marchionne já começou a escolher executivos que vão trabalhar numa diretoria única, como parte de uma tentativa de fundir as duas e formar uma montadora global. Atualmente, cada empresa tem sua própria diretoria que responde diretamente a Marchionne.

Detalhes da nova estrutura de administração devem ser apresentados no anúncio de resultado trimestral da Chrysler terça-feira. A Fiat já afirmou que vai consolidar os resultados da Chrysler em seu próprio balanço e vai divulgá-los quando anunciar seus resultados.

Jim Flaherty, ministro da Fazenda do Canadá, disse que os governos nacional e o da província de Ontário vão receber um total de US$ 140 milhões, sendo US$ 125 milhões por sua fatia combinada de 1,6% na Chrysler e US$ 15 milhões como parte dos proventos advindos da transferência à Fiat de um acordo de ações entre o Tesouro dos EUA e o fundo do UAW.

Ontário vai ficar com um terço dos proventos. O ministro provincial da Fazenda, Dwight Duncan, disse que a província vai usar os fundos para reduzir dívida.

O Tesouro dos EUA informou que a Fiat pagou US$ 500 milhões por suas 98.461 ações, ou 6% do patrimônio total. A companhia também pagou mais US$ 60 milhões pelos direitos do Tesouro de comprar as ações em posse do fundo de saúde do UAW. A venda da participação foi anunciada este ano.

O fundo dos aposentados do UAW é o único acionista a continuar na Chrysler, com 44,7% das ações, ou 41,5% se consideradas todas opções, warrants e instrumentos conversíveis existentes (“fully diluted equity”). Marchionne já falou sobre uma negociação para comprar as ações do fundo, o que eliminaria a necessidade de abrir o capital da Chrysler.

  • Comentários  

    21/11/2017