Festival de Veneza inicia com filme sobre 11 de setembro

O Festival de Cinema inicia nesta quarta-feira em Veneza

Festival de Veneza começa nesta quarta 29 de agosto com filme sobre 11 de setembro 

O filmeFestival de cinema, baseado em um romance de mesmo nome, traça a jornada de um jovem paquistanês desde seu sucesso em Wall Street até se tornar um radical islâmico suspeito alvo da Inteligência norte-americana.

A adaptação do romance de Mohsin Hamid de 2007 foi dirigido por Mira Nair, uma indiana que vive em Nova York, onde, segundo ela, as atitudes em relação a ela e outros da Ásia rapidamente mudaram após os ataques de 11 de setembro.

“De repente, tornou-se um lugar onde as pessoas que se parecem como nós se tornaram ‘o outro’ e isso era doloroso, e isso também foi parte da inspiração para fazer este filme”, disse ela a jornalistas após uma exibição para a imprensa do filme.

“Foi um momento muito complicado e doloroso”, acrescentou Nair, que ganhou o Leão de Ouro de melhor filme no Festival de Cinema de Veneza em 2001 com “Um Casamento à Indiana”.

A cineasta disse que se sentia bem colocada para retratar a história de Changez, um jovem paquistanês interpretado pelo ator britânico Riz Ahmed, que está cotado para o topo do mundo das altas finanças antes dos acontecimentos de setembro de 2001 virarem seu mundo de cabeça para baixo.

Marginalizado e atraindo suspeita por onde passa, ele retorna ao Paquistão para ensinar em Lahore. Lá, ele é abordado por uma célula islâmica radical que quer que ele se junte a sua violenta campanha contra os interesses ocidentais.

Ahmed, que também estrelou a polêmica comédia sobre homem-bomba “Four Lions”, disse que ele compartilhou algumas das frustrações de Changez. “Somos de certa forma definidos pelos rótulos que são colocados em volta do nosso pescoço”, afirmou numa entrevista coletiva.

Em uma entrevista tensa com um repórter norte-americano (Liev Schreiber) que ocorre durante o filme de duas horas, o espectador é deixado para adivinhar o caminho que Changez escolhe e quais, em última análise, são os motivos de ambos os homens.

“Nós todos sabemos que houve uma cisma enorme entre o Oriente e o Ocidente na última década. Eu procurei trazer algum sentido de estabelecer uma ponte, algum sentido de cura, basicamente algum sentido de comunicação”, disse Nair a jornalistas antes da noite de estreia no tapete vermelho que marca a abertura do festival.

Nair conta que ela usou como ponto de partida o filme de 1966 “A Batalha de Argel”, aclamado por seu tratamento imparcial da guerra da Argélia em 1950.

“O Fundamentalista Relutante”, também é estrelado por Kate Hudson e Kiefer Sutherland.

O Festival de Veneza é o  festival de cinema mais antigo do mundo, celebrando este ano seu 80º aniversário.

A lista de competição com 18 filmes ganhou elogios antecipados da crítica, e Veneza lançou também um pequeno mercado onde os produtores e distribuidores podem comprar e vender títulos e assim tornar comercialmente mais atraente uma viagem notoriamente cara.

  • Comentários  

    12/12/2017