Dólar em alta: mudanças na economia externa e no Brasil

dolarHoje (23) a cotação do dólar americano está em R$ 1,90 com 11%de aumento em 5 dias

O Banco Central (BC) anunciou dia 22 de setembro de 2011 o retorno às operações que equivalem à venda de dólares no mercado futuro, em um momento de alta da moeda norte-americana. A última vez em que o BC tinha feito esse tipo de atuação foi em 26 de junho de 2009.

As operações de swap cambial serão divididas em quatro lotes, com vencimentos nos dias 3 de outubro, 1º de novembro, 1º de dezembro e 2 de janeiro de 2012. O resultado dos leilões do total de 112.290 contratos serão divulgados hoje, às 11h15.

Dia 21 de setembro, o BC desistiu de fazer operação de swap cambial reverso, o que equivale à compra de dólares no mercado futuro. A operação seria para rolagem de vencimento do próximo dia 1º de outubro.

No último dia 14, o BC também interrompeu as compras da moeda norte-americana no mercado à vista, como vinha fazendo em todos os dias úteis.

Com alta do dólar, começam a cair gastos de brasileiros em viagens ao exterior

Os gastos de brasileiros em viagens internacionais estão caindo em setembro, informou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel. Em setembro, até hoje (23), esses gastos estão em US$ 969 milhões, sendo que fecharam agosto em US$ 1,903 bilhão.

Segundo Maciel, os dados deste mês mostram “arrefecimento” devido à alta do dólar e também porque setembro é um período em que normalmente há redução das viagens. “Dada a volatilidade do câmbio, é natural que as pessoas aguardem período mais propício [para comprar dólares para a viagem ou gastar no cartão de crédito]”, disse Maciel.

De janeiro a agosto de 2011, essas despesas ficaram em US$ 14,283 bilhões contra US$ 9,891 bilhões registrados em igual período do ano passado.

Já os gastos de estrangeiros no Brasil chegaram a US$ 4,465 bilhões nos oito meses do ano, ante US$ 3,860 bilhões de igual período de 2010. Somente em agosto, os estrangeiros deixaram no país US$ 605 milhões.

O resultado da conta de viagens internacionais é formada pelos gastos de brasileiros no exterior e pelas receitas deixadas por estrangeiros no Brasil. A previsão do BC para o saldo negativo da conta de viagens internacionais passou de US$ 15 bilhões para US$ 16 bilhões, este ano.

Segundo Maciel, o aumento da previsão do resultado negativo dessa conta levou em consideração os resultados “bastante expressivos” registrados nos meses do ano.

De janeiro a agosto deste ano, o déficit na conta de viagens internacionais ficou em US$ 9,818 bilhões, ante US$ 6,031 bilhões registrados em igual período de 2010.

  • Comentários  

    29/06/2017