Ibama embargou um desmatamento a cada dois dias

Nos últimos 60 dias da operação Soberania, entre primeiro de junho e 31 de julho de 2012, o Ibama interrompeu cerca de 30 desmatamentos ilegais e aplicou R$8,7 milhões em multas na região de influência de Novo Progresso, que inclui Trairão, o sul de Itaituba e dois distritos de Altamira, Castelo dos Sonhos e Cachoeira da Serra, no oeste do Pará. Média de um desmatamento autuado a cada dois dias. No período, o instituto embargou cerca de 2 mil hectares de áreas desflorestadas irregularmente e apreendeu três mil metros cúbicos de madeira (cerca de 150 caminhões cheios).

Motosserras usadas no desmatamento ilegalEm apenas uma das áreas, um desmatamento localizado no interior da Floresta Nacional (Flona) de Altamira, foram desmatados 1.440 hectares de florestas nativas (área equivalente a aproximadamente 1,4 mil campos de futebol) e apreendidas 20 motosserras.

Com 689 mil hectares, a Flona de Altamira é uma das maiores áreas de floresta não perturbadas da Amazônia Oriental. Os fiscais chegaram de helicóptero ao local de difícil acesso, mas precisaram passar a noite na mata para interromper a ação dos desmatadores. Com o apoio de homens da Força Nacional, os agentes desmontaram cinco acampamentos, apreenderam combustível, mantimentos, armas e retiraram 35 pessoas (entre elas duas crianças) do interior da Flona.

Os trabalhadores afirmaram que foram arregimentados por um “gato” em Anapu e trazidos diretamente para o desmatamento. Eles viviam isolados na área e trabalhavam em condições subumanas, dormindo sob lonas, consumindo caça e água sem tratamento. A ordem dada pelo encarregado do desmate, segundo eles, era derrubar cinco mil hectares de floresta e começar a formar uma pastagem para gado. Um dos responsáveis pelo dano ambiental à Flona já foi identificado e multado em R$ 7,2 milhões.

Ibama

  • Comentários  

    19/10/2017