Profissionais do mercado financeiro tiveram salários valorizados

Os profissionais que trabalham no mercado financeiro tiveram valorização salarial média de 25%, segundo o Guia Salarial 2011-2012 realizado pela Robert Half e divulgado nesta sexta-feira (12).

O gerente sênior da divisão de Finanças e Contabilidade e Mercado Financeiro da Robert Half, Fábio Saad, explica que, neste setor, os analistas estão entre os mais demandados tanto para posições de crédito, em bancos de investimento e de varejo, como de fusões e aquisições, nos bancos de investimentos.

“São poucos profissionais especializados e o mercado exige uma visão mais generalista e com capacidade paradesenvolver relatórios em inglês”, diz.

Ela acrescenta que o segmento de mercado de capitais, apesar do crescimento registrado nos últimos anos, tem um alto potencial de expansão. De acordo com Saad, os projetos ainda possuem muitos financiamentos do governo, se comparados com outros mercados mundiais, portanto, há muito espaço para crescimento.

Outros destaques
Outros  profissionais em destaque são os operadores, cuja valorização do salário ficou entre 15% e 20%. “O principal motivo é a entrada de bancos no País, que demandam mão de obra qualificada capaz de trazer os sistemas e, na prática, colocar o banco para operar”.

Em contrapartida, o estudo indicou que os profissionais da área de renda fixa registraram desaceleração nos salários. Isso pode ser explicado pelos investimentos conservadores que estão em alta, o que impacta em remuneração variável mais conservadora, “menos descolada da parte fixa”, afirma o especialista.

Em relação ao mercado de seguros, os dados apontam que a valorização salarial foi de 15%, com alta demanda por especialistas em resseguros. “Enquanto em 2010 se viu uma guerra por talentos desta área, com ‘compra de passes’ desses profissionais, no Guia Salarial 2011-2012 se percebe uma estabilização”, explica a gerente da divisão de Mercado Financeiro da Robert Half, Ana Guimarães.

Outra tendência observada é a mudança do perfil do profissional de subscrição, por conta da unificação deste cargo nas seguradoras americanas. “Hoje, a posição exige, além do conhecimento técnico, competências comerciais para a prospecção”, explica. O analista de subscrição, no nível de entrada, tem salário inicial de R$ 2,5 mil e teto de R$ 6 mil. Segundo a especialista, a demanda segue aquecida por profissionais Property e Marine (Grandes Riscos), por conta das grandes obras em execução no Brasil.

Além disso, o mercado de cartões de crédito apresentou alta e os profissionais possuem remuneração 20% maior do que os do mercado de seguros. “A quebra de monopólios tem gerado alta demanda por profissionais para desenvolvimento de mercados”, explica. Segundo a especialista, há carência por profissionais que conheçam a estrutura e dinâmica de instituições financeiras.

  • Comentários  

    17/08/2017