Operação Soberania combate a exploração de castanheiras

Uma operação conjunta do Ibama e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) fiscalizou no início deste mês explorações ilegais de madeira em áreas de floresta amazônica no entorno da Reserva Biológica Tapirapé, na Serra dos Carajás, a 200 km de Marabá, no sudeste do Pará. Na ação, os agentes ambientais aplicaram cerca de R$ 195 mil em multas, apreenderam um caminhão, um trator e 55 m³ de castanheiras-do-Pará já serradas (o equivalente a dois caminhões cheios), além de identificarem mais de 30 hectares de florestas danificadas pela derrubada ilegal da espécie, que é ameaçada de extinção e protegida por lei contra o corte.

Denúncias de moradores da região levaram os fiscais ao Projeto de Assentamento Cupu, a cerca de 10 Km da Rebio Tapirapé, onde foi confirmada a exploração de castanheiras em cinco lotes. Um caminhão carregado com 13 m³ de madeira já serrada da espécie protegida e um trator-esteira foram apreendidos no local. A madeira e os veículos foram doados à Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marabá e à Prefeitura de Itupiranga.

Os assentados envolvidos nas derrubadas de castanheiras foram autuados em R$ 5 mil por cada hectare de floresta danificado e tiveram as áreas de desmatamento embargadas. Uma serraria e uma carvoaria na Vila São Pedro, envolvidas na receptação da madeira extraída do assentamento, também foram multadas. No pátio das empresas, o Ibama apreendeu 42 m³ de castanheiraserrada, 40 m³ de resíduos da espécie (galhos e sobras de serraria) e 36 mdc de carvão vegetal. Os produtos florestais foram doados à Escola Municipal de Itupiranga.

“A perda de maquinário, madeira, as autuações e os embargos atingiram o crime ambiental na fonte onde as castanheiras eram exploradas e na serraria que comercializava a madeira roubada; cercamos toda a cadeia da atividade ilegal”, disse o coordenador da operação, Leonardo Tomaz, da Divisão de Fiscalização do Ibama em Marabá.

A operação Soberania contou com a participação de homens da Polícia Militar do Pará e guardas da Floresta Nacional de Carajás.

Ibama

  • Comentários  

    22/11/2017