Operação Guardiões do Pantanal combate Comércio ilegal

Ibama inicia operação Guardiões do Pantanal com muita fiscalização

Teve início na manhã do último dia 27 a operação Guardiões do Pantanal, realizada pela Superintendência do Ibama em Campo Grande, que tem por objetivo combater os ilícitos ambientais relacionados ao bioma Pantanal tanto na área de flora quanto da fauna. Os alvos da operação são a criação e o comércio irregular de carne de animais silvestres e extração e comércio de madeira nativa do Pantanal.

Até o momento, três equipes de fiscalização já efetuaram apreensões e aplicaram multas no montante de R$ 122 mil. Uma equipe que fiscalizava empresas madeireiras no município de Miranda, suspeitas de receber madeiras extraídas ilegalmente de áreas do Pantanal, inclusive em Terras Indígenas, realizou a apreensão de um caminhão, apreendeu 60 metros cúbicos de madeira sem origem legal e lavrou multas no total de R$ 25 mil.

No município de Corumbá, na região pantaneira do Paiaguas, foi flagrada em uma propriedade rural a extração ilegal de quase 9 mil peças de madeira nativa, entre lascas e esticadores, das essências Vinhático, Cumbaru e Pequi. A propriedade possuía autorização para extração de madeira de árvores mortas e/ou desvitalizadas, porém, a madeira encontrada no local estava verde, indicando que foi extraída de árvores vivas. A propriedade foi multada em R$ 56 mil e toda a madeira foi apreendida. Foram apreendidas também no local duas motosserras, duas espingardas calibre 22 e um revolver calibre 38. Os responsáveis foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Coxim/MS.

A equipe que atuou no município turístico de Bonito fiscalizou cinco restaurantes que comercializavam carne de jacaré e de outros animais silvestres sem a devida autorização do Ibama. Os restaurantes foram autuados e tiveram a atividade de comercialização dos produtos da fauna silvestre embargada. Foram apreendidos 76 quilos de carne de jacaré e queixada.

Em um criadouro de jacaré da região, alvo de investigação da Polícia Federal, foram identificadas diversas irregularidades. O criador teve sua atividade embargada e recebeu sete autuações, com multas que totalizaram R$ 17,3 milhões.

Segundo o chefe da Divisão Técnica da Supes/MS, analista ambiental Mario Rubbo, a operação faz parte da retomada das ações de fiscalização do Ibama no Mato Grosso do Sul e inicia agora uma nova fase, com a participação da Polícia Federal e da Funai.

As equipes de agentes ambientais federais, policiais e indigenistas atuarão no interior das terras indígenas da região, em especial as que se encontram em áreas de fronteira, verificando denúncias de extração ilegal de madeira e outros ilícitos ambientais. Um helicóptero do Ibama está sendo utilizado nas ações para dar apoio às equipes de terra. A Operação Guardiões do Pantanal não tem data para terminar.

Fonte: Ibama

 

  • Comentários  

    22/11/2017