Operação Custódia luta contra desmatamento Mato Grosso

Ibama dá resposta rápida ao aumento do desmatamento no Mato Grosso

Como reação imediata aos dados de satélites que apontaram o Mato Grosso como o vice-campeão dos desmatamentos na Amazônia Legal (o Pará figura em primeiro lugar na lista), uma das frentes de trabalho deflagradas pelo Ibama no início deste mês foi a Operação Custódia Juína V/ Guardiões da Amazônia. Agentes Ambientais Federais de Minas Gerais, do Tocantins e do Rio Grande do Norte foram convocados para se integrarem às equipes de Cuiabá, de Juína e de Aripuanã que atuaram durante duas semanas, na região de Colniza e de Juara, extremo noroeste do estado.

Durante esse período, os agentes aplicaram mais de R$ 3,5 milhões de reais em multas e embargaram mais de 700 hectares de áreas desmatadas ilegalmente (correspondente a 700 campos de futebol). Com o começo do período das chuvas na região amazônica, bioma característico do norte do Mato Grosso, choveu na maioria dos dias da operação. Para chegar às áreas e conter o avanço das motosserras, os agentes enfrentaram muito atoleiro nas estradas de chão precárias, num raio de 150 quilômetros a partir do centro de Colniza, e na região de Paranorte e assentamento Vale do Arinos (distritos de Juara). Nos pontos de difícil acesso, foi preciso deixar as viaturas e andar quilômetros a pé para se alcançar os desmates.

De acordo com o chefe da fiscalização do Ibama em Juína, Edilson Paz Fagundes, a região de Colniza sofre grande pressão ambiental, sobretudo relacionada à extração ilegal de madeiras na região

conhecida como Três Fronteiras, divisa com os estados do Amazonas e Rondônia. Ele também observa que “a falta de licenciamento e de regularização fundiária dos empreendimentos torna-se outro grande problema para a fiscalização localizar e autuar os infratores”. Porém, a persistência dos agentes em identificar os responsáveis pelas derrubadas levou à autuação de muitos infratores. Outras áreas onde não foi encontrado ninguém estão em processo de investigação.

De acordo com o coordenador da operação Custódia Juína V Guardiões da Amazônia em Colniza, Rodrigo Figueiredo Calazans, apesar das dificuldades, o Ibama tem marcado presença contínua nessa região. “Mesmo no fechamento do ano procuramos dar uma resposta rápida à sociedade por deslocar de pronto as equipes para as áreas indicadas pelos sistemas de detecção em tempo real”, enfatiza Calazans.

Ibama

  • Comentários  

    25/11/2017