Fiscais resgata trabalhadores escravizados em Goiás

Fiscais do Ministério do Trabalho resgataram 69 trabalhadores trabalhadores escravizados em 11 carvoarias de Goiás. A operação da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do estado foi desencadeada após denúncia de tentativa de homicídio de um trabalhador escravo.

carvoariaOs trabalhadores carvoeiros eram trazidos irregularmente de Minas Gerais, não tinham registro e nenhum direito trabalhista, como descanso semanal remunerado, férias ou décimo terceiro salário. Nas carvoarias, as condições de trabalho e moradia eram precárias. Não havia água potável e alguns alojamentos foram erguidos em galpões de pau-a-pique, com teto de lona e piso de chão batido. Não tinham instalações sanitárias nos locais de trabalho e nos alojamentos.

O esquema de exploração dos trabalhadores, coordenado por uma família, funcionava há mais de seis anos, de acordo com o Ministério do Trabalho. Os trabalhadores eram aliciados para atividades que iam do desmatamento ilegal do Cerrado para produção de carvão contratado por siderúrgicas em Minas Gerais. De acordo com os fiscais, não eram fornecidos equipamentos de proteção individual (EPI) para execução de atividades como corte, carregamento e transporte de madeira e para o trabalho nos fornos.

Os empregadores terão que pagar R$ 680 mil em indenizações rescisórias aos trabalhadores resgatados. Cerca de R$ 200 mil foram pagos e o restante será cobrado em ação coletiva movida pelo Ministério Público do Trabalho contra os produtores de carvão e contra os fazendeiros onde as carvoarias estavam instaladas. Os empregados resgatados irão receber três parcelas do seguro-desemprego, de um salário mínimo cada.

Agência Brasil

 

  • Comentários  

    16/08/2017