Comércio virtual ilegal de madeiras é detectado pelo Ibama no Brasil

Porto Velho, Rondônia – Ações de inteligência da fiscalização do Ibama em Rondônia, executadas pela Operação Portal, identifica comércio virtual de crédito de madeiras oriundo de Brasília-DF. A investigação detectou que uma única madeireira recebeu 20 Documentos de Origem Florestal – DOF, que totalizam cerca de 750 m3 de madeira serrada, o volume equivalente a 30 carretas bi-trem, de essências nobres como Ipê, Cumaru, Jatobá, Maracatiara, dentre outras, apenas virtualmente.

A transação foi realizada com uma madeireira de Brasília, que movimentou via sistema o saldo das madeiras, sendo que os devidos transportes não ocorreram. Suspeita-se que os créditos virtuais recebidos seriam utilizados para “esquentar” madeiras extraídas ilegalmente de uma Unidade de Conservação.

De posse das informações sobre a possível transação virtual ilegal, uma equipe do Ibama deslocou-se até o pátio da madeireira e constatou o ilícito e outras ilegalidades. A empresa foi embargada e recebeu quatro multas.

Os créditos virtuais recebidos serão bloqueados pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental – Sedam, que é o órgão responsável pela gestão florestal no estado de Rondônia.

Para o Superintendente do Ibama em Rondônia, César Luiz Guimarães, vislumbramos um up grade do crime ambiental. O valor agregado ao crédito virtual proporciona lucro muito mais fácil e rápido. Entretanto, ilícitos como este serão combatidos com veemência, visando preservar os remanescentes florestais do estado.

Fonte:  IBAMA

  • Comentários  

    20/09/2017