1º Curso Internacional sobre Mudanças Climáticas Globais

Representantes de 23 países da América Latina, da Ásia e da África se encontrarão ao longo dessa semana na sede do Ibama em Brasília, para discutir e trocar experiências sobre causas de queimadas e incêndios florestais e sua contribuição para as mudanças do clima.

O 1º Curso Internacional sobre Mudanças Climáticas Globais, Queimadas e Incêndios Florestais, promovido pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e coordenado pelo Centro Nacional de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais do Ibama (Prevfogo), reunirá 30 representantes de diversos países e tem como principal objetivo compartilhar informações sobre prevenção de incêndios florestais.

A abertura oficial do curso na sede do Ibama contou com a presença do assessor da ABC Otávio Briones, o secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, do Ministério do Meio Ambiente, Eduardo Delgado Assad, o presidente do Ibama, Curt Trennepohl, o diretor de Proteção Ambiental substituto, Rodrigo Dutra, e o chefe do Prevfogo, José Carlos Mendes de Morais.

Os participantes receberam as boas vindas do presidente do Ibama, que convidou todos os alunos a compartilhar as experiências exitosas em seus países durante as atividades.

“Nós temos um compromisso em comum: preservar o meio ambiente para as atuais e futuras gerações”, finalizou o presidente Curt Trennepohl.

O secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, do Ministério do Meio Ambiente, ressaltou a importância de se prevenirem as queimadas e os incêndios florestais com o objetivo de minimizar os impactos sobre as mudanças do clima.

“O desmatamento da Amazônia e do Cerrado, as queimadas, os incêndios florestais e a agricultura representam cerca de 60% das emissões de gases de efeito-estufa no Brasil”, disse Eduardo Delgado Assad ao público.

Segundo o chefe do Prevfogo, José Carlos Mendes de Morais, ao final do curso, cada representante terá produzido uma análise sistêmica das causas e consequências do fogo de acordo com a realidade do seu país. O Ibama já utiliza esse procedimento desde a sua criação, há 22 anos, e começa a exportar esse conhecimento em parceria com o Ministério das Relações Exteriores.

“O mais importante será a troca de experiência entre os países, conhecer as diferentes realidades e poder contribuir para a prevenção de incêndios mundo afora”, completa o chefe do Prevfogo.

“Muitas pesquisas sobre incêndios e queimadas são feitas em Cuba e o monitoramento dos focos de calor é sistematizado desde 1960. A expectativa para o curso é grande, principalmente, porque o Brasil tem muita experiência no assunto”, comentou o representante cubano, Luis Wilfredo Martinez, professor da Universidade Pinar del Rio em seu país.

Os incêndios florestais constituem um fator de degradação ambiental e aumento de risco para a sociedade, além de representarem a maior parte das emissões de gases de efeito-estufa, que contribui para as mudanças do clima.

“A expectativa do Prevfogo para esse curso é grande: afinal, todas as pessoas que participarão do curso são representantes governamentais e a maioria possui especialização, enriquecendo ainda mais o debate”, complementa o analista do Prevfogo e idealizador do curso, Genebaldo Freire.

O 1º Curso Internacional sobre Mudanças Climáticas Globais, Queimadas e Incêndios Florestais ocorrerá de 26 a 30 de setembro de 2011 na sede do Ibama, em Brasília. Os países participantes são: Brasil, Antígua e Barbuda, Argélia, Bolívia, Cabo Verde,Cuba, Egito, Gabão, Guiné-Bissau, Jamaica, Líbano, México, Moçambique, Peru, Quirguistão, República Dominicana, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Seichelles, Sri-Lanka, Tanzânia, Tunísia, Vietnã e Zimbabue.

  • Comentários  

    25/04/2017